quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Partidas


‘Departures’ ou ‘A Partida’ – título em português – é um filme sensível e também muito interessante por se tratar da milenar cultura japonesa em lidar com a morte. A peculiar tradição de um país que ao entrar em choques existenciais contemporâneos, leva-nos a refletir sobre uma questão que, para nós ocidentais, é por demais esmagadora: o medo da morte.
Para a maioria das pessoas, esse é um assunto empurrado para o subconsciente e negado na vida cotidiana. No entanto, o filme, com muita sutileza, nos mostra uma outra face da morte que não somente a do apego, da dor e do desespero. Enquanto o personagem Kobayashi age como guardião entre a vida e a morte, aos poucos, vai compreendendo que mesmo em tempos obscuros de pranto e de dor, a beleza pode habitar. E nos momentos que antecedem ‘a partida’, trabalha para que ninguém pense em preto, ninguém pense em luto, ninguém veja o morto como diferente, estranho ou intruso.
O morto é apenas o vivo que conclui o trabalho de viver e, com toda dignidade, é primorosamente preparado para sua nova jornada.
Uma nova jornada: é esse o sutil toque de ‘A Partida’. Assim como os filhos seguem seus caminhos quando crescem, os primeiros professores, os grandes amores e até os amigos quando escolhem rumos diferentes. O nosso grande mal é traçar essa barreira de pavor entre mortos e vivos, como se a separação efetiva houvesse realmente entre vida e morte.
A vida emana da vida, o botão se transforma em flor, a criança se torna adulto...a vida não é outra coisa senão a preparação para as partidas.
E no final ficamos menos tristes, menos confusos e menos vulneráveis ao sentirmos que nada precisa morrer no instante da morte. É apenas o deixar fluir da natureza, certos de que em meio às cinzas está a semente do novo que quer nascer.
Maria Lucia de Almeida

Um comentário:

Juscelino disse...

O que mais chamou a minha atenção, nesse filme é o fato como os japoneses resolvem as questões com o falecido. A personagem principal tem suas questões com o pai, que é resolvida somente no funeral.

Uma cena que também me tocou muito foi quando ele reencontra uma pedra presenteada pelo pai dele. Eu tenho aqui uma pedra que ganhei e alguns amigos meu tem outras com as quais os presenteei.

Este filme é lotado de nuances, como nas situações em que ele se encontra com a alma apertada, ele aparece no topo de uma escada em um lugar bem pequeno da casa. A cena do polvo vivo. E tantas outras.

Curiosamente este trabalho é realizado no Japão por brasileiros em sua maioria.

Já revi este filme algumas vezes.