domingo, 21 de dezembro de 2008

Entre o real e o imaginário



E, afinal, o que é a ilusão?
Uma velhinha que pinta o rosto de batom e rouge quando vem para acalçada tomar sol ?
A televisão que apresenta os filmes americanos, franceses, alemães, todos dublados em português?
O ourives que constroi anéis com pedras falsas?
A mão que blefa a cartada decisiva num jogo de pôquer?
Os ardís e as várias línguas e linguagens do amor?
Neste mundo em que a repetição de nomes acaba por fazer a 'interposição' de pessoas, de dublês de corpos, quem seria a Maria original?
O simulacro produz o efeito da verdade.
E assim como os olhos da figura mitológica da Meduza podem petrificar quem os contempla,
muitas vezes não se pode olhar a verdade de frente, e todos que sofrem a ação da mentira, quanto os que a inventam, defendem-se dos efeitos devastadores da verdade injetando em si próprios, regularmente, doses de ilusão.
Assim segue a vida...criando momentos em que o real, o simbólico e o imaginário são um único buraco.


Maria Lúcia

Um comentário:

www.versosintemporais.com disse...

Lúcia : sempre que posso dou uma passadinha por aqui para me refrescar no banho de seus sentimentos.
Gosto muito do seu jeito solto de manifestar o que sai de sua alma e do seu coração.
Beijos.
Gilberto.